Questionei o diagnóstico

Há 4 anos e meio atrás fui diagnosticada com bipolaridade.

Por todo esse tempo até novembro do ano passado tomei todos os medicamentos conforme orientação médica. Fiz exercícios físicos, iniciei a meditação, fiz o que podia para levar uma vida mais tranquila e nunca mais passar o que passei, uma crise psicótica seguida de uma internação.


Não gostava de falar sobre a doença e tão pouco que meu marido me lembrasse que sou bipolar perguntando diariamente se tomei meus medicamentos, queria apenas levar uma vida normal como outra pessoa qualquer.

Mas será que outras pessoas levam vida normal? Afinal o que é uma vida normal?

O que é uma vida normal eu não sei, mas ser bipolar para mim não era nada normal. E foi isso o que eu fiz, apesar de altos e baixos levei minha vida “normalmente”, trabalhei, viajei, me diverti e investi muito do meu tempo em autoconhecimento.

Assim foram por 4 anos e meio até eu questionar o disgnóstico e fazer um plano para parar te tomar o Lítio.

Eu estava passando por uma fase muito difícil. Meses atrás iniciei um processo para fertilização, o que para mim era um grande desafio pois a maioria dos médicos que fui eram contra a gestação para bipolares.

Há 10 anos tento engravidar de forma natural e nada acontece, me enchi de coragem, dessa vez o meu médico me apoiou por ver que eu estava tanto tempo estável e fui para cima.

Hormônios, injeções e conseguimos congelar 1 embrião já fecundado. Passei muito bem durante todo o processo e não tive oscilações de humor. Fiquei muito feliz com tudo isso, pois era algo que me preocupava bastante

Eu e meu marido tinhamos uma viagem marcada para outubro de 2018 e a ideia era assim que voltássemos fazer a fertilização.

Como eu tinha um probleminha na tiroide, passei na endocrino para ver se estáva tudo ok, foi quando descobrimos que eu estava com um nódulo maligno e teria que ser retirado. Ainda não sabíamos se tinha ido para outros locais e se seria necessário fazer a radioterapia, naquele momento eu não quis ouvir falar sobre isso, pensei: um dia de cada vez, e reagi muito bem a tudo, super tranquila. O que me faz pensar se eu já não estava com um pouco de euforia, visto que eu tinha parado de tomar a quetiapina uns 15 dias antes e meus medos de doenças às vezes se apresentam grandes demais.

Seja lá o que for acabou que a cirúrgia foi ótima e eu reagi a tudo com muita naturalidade e tranquilidade.

Pensei: Eu não posso ser bipolar, Estou ótima, tranquila em todas essas situações e simplesmente coloquei na minha cabeça, que a minha crise psicótica de 2014 tinha sido uma crise de burnout, coisa que já falava a muito tempo, inclusive questionei diferentes médicos, todos inclusive falaram que eu era bipolar.

Mas eu estava muito corajosa e pronta a mostrar para o mundo que meu diagnóstico estava errado. Evidentemente ninguém poderia saber do meu plano de parar o medicamento.

Escrevi em um papel como diminuiria o Litio e fui seguindo esse plano que demorou aproximadamente 1 mês e meio até que todo o estrago fosse feito.

Aos poucos eu simplesmente parei de tomar aquilo que estava me dando uma vida estável e “normal”.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s